quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Lembranças de um mestre

Recomeçar: essa é a palavra certa. Estou nesse processo a algumas semanas. Atitudes incompreensíveis,e planos idiotas de um certo modo se foram, e o papo sobre mim está muito chato. Só que é importante lembrar, que dia 14/10/09, ontem, eu sonhei. Meu vô sempre me falava que depois do ruim, das decepções e desilusões, sempre vem o melhor. ELE era o único cara que eu conhecia que estava certo em quase tudo, quase. Dificuldade obviamente nunca deixamos de passar, o que é normal, sem elas, nada teria graça, e não iria valer a pena vence-las.

Não me deixo abalar por elas em um desespero eterno, e sim como algo que eu tenho a capacidade de passar por cima, e conseguir derrotá-las, sim.

Existia alguém a um certo tempo atrás, que sempre me dizia assim:

-" Tá vendo a lua, bella? Essa está bem longe, por que pareça perto. É dificil alcança-la, mais não é impossível. Sei que você é capaz de chegar lá, assim como um dia eu cheguei. Apenas lute!"
Esse era meu avô. Um cara ateu, mais ainda sim meu grande mestre, aquele que me ensinou tudo que eu sei, ou pelo menso, quase tudo. A exatamente 4 anos atrás, ele faleceu. Como superar uma perda tão grande, para na época, uma criança como eu era? Simples: lembrando que aquele que morrera sempre lhe quisera ver feliz. Fácil falar, difícil mesmo é conviver com aquilo que não é nem um pouco divertido.

Para mim, a cada ano que passa, é mais um ano sem aqueles velhos olhos azuis e pele gastada, cabelos brancos, altura de 1,87 e a vontade de viver do meu avô. Ele que tivera com seu último ano, as suas 78 velinhas asopradas. Era legal no ano novo, ele fazia niver no dia 1 de janeiro, e então, comemoravamos tudo junto na mansão do meu tio, a família de curitiba vinha visitar. Depois q ele se foi, ficamos triste, mais recuperamos.

Hoje depois de muito tempo sem ele, eu choro, mais não falando: -" ah, meu vô morreu, coitado, poderia viver mais", e sim chorando de felicidade, e saudade de alguém que mais do que qualquer um, foi meu verdadeiro ídolo. Obrigada Deus, por possuir o sangue italiano de alguém como ele.


Por isso que eu digo sim, todas as vezes que eu posso, que é necessário lutar pel0 o que queremos, como ele lutou pra viver, assim como muita gente lutou para sobreviver, assim como muitos nem estiveram a chance de lutar.
Ir atrás do que queremos, enfrentar o medo é bom, mais precisamos de um fato por menor que seja, para ter o direito de ir atrás. Só que errando também! Até porque, burro é aquele que acha que está sempre certo.
Vovô, ah como eu amo você. Ah como eu sinto saudade. É por você que toda vez que eu estou mal, tento melhorar, lembrando do seu sorriso. Sempre será meu mestre, o meu verdadeiro amor. É por isso que eu digo pra quem estier lendo agora, o que ele sempre me falava :

-" Ei, sonhe. Ei, olhe para mim e sorria, que nem a musica do Chaplin dizia, você é preciosa, e sabe disso. Por que perder tempo chorando se eu estou aqui para lhe ajudar, belona? Por que não esquece das ignorâncias do mundo? Por que não sorrir por ser feliz? Netinha, a vida é doce e bella, que nem você, Isabella".

Eterno,



"Nilvaldo Barbosa"

7 comentários:

  1. Muito bom.
    Linda homenagem.
    Bom feriado.
    :*

    ResponderExcluir
  2. Muiito liindo *.*
    Adoreei a homenageem '-'
    Bjoos =*
    Tõ seguiindo aqii / Se puder passa lá no meu.

    ResponderExcluir
  3. - Nossa .. muito linda a homenagem !
    gostei do teu blog!

    vou te seguiir! :)

    Beijinhos :*

    ResponderExcluir
  4. muito bonito a forma como você falou dele, seu pensamento diante de tudo.

    beijos, estou lhe seguindo :*

    ResponderExcluir